Smartphones e tablets 'ajudam' a potencializar dores crônicas, aponta estudo

blog-image

Se por uma lado os dispositivos móveis nos auxiliam no dia a dia na realização das mais diversas tarefas, por outro, segundo aponta uma recente pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED), um total de 37% da população brasileira que utiliza tablets ou smartphones sofrem com algum tipo de dor crônica pelo uso desses aparelhos.

Entre tais enfermidades estão listadas dores de cabeça, lombar, cervicais (pescoço) e até mesmo patologias (câncer), todas essas afetando em grande parte mulheres na faixa dos 41 anos.

 O uso excessivo e incorreto de celular e tablet provoca a má postura e, consequentemente, a sobrecarga na cervical, nos membros superiores, nos dedos, na coluna lombar e dorsal – por conta dos movimentos repetitivos –, na visão e, ainda, estimula o sedentarismo. A partir daí, as dores crônicas começam a aparecer e aquelas já existentes pioram ainda mais. Neste caso, o uso destes aparelhos pode causar lesões tendinosas nos punhos, ombros e cotovelos, além de acarretar hérnias, protrusões e desvios de coluna", explica Leonardo Cezar, ortopedista e cirurgião do Hapvida Saúde.[Usar smartphones durante tempo de lazer com a família pode afetar humor dos seus filhos, diz pesquisa.

Usar smartphones durante tempo de lazer com a família pode afetar humor dos seus filhos, diz pesquisa.

O estudo aponta que as crianças de hoje em dia, que praticamente já nascem sabendo utilizar os gadgets em geral, tendem a desenvolver quando adultas algum tipo das enfermidades citadas. Em virtude disso, o ideal é desde já dosarem o tempo de exposição dos pequenos e no surgimento de algum sintoma, procurar tratamento imediato.

Os tratamentos indicados para pacientes crônicos, além da medicação, são fisioterapia, RPG, pilates e musculação, todas sob supervisão de profissionais habilitados. Lembrando que é sempre fundamental o acompanhamento médico em todo e qualquer tratamento”, completa o especialista.


Fonte: Tudocelular.com