Frio agrava dores na coluna e outras doenças reumáticas

blog-image



Dores na coluna, artrite, artrose e até a fibromialgia são agravadas no frio. Mas, o problema pode ser controlado com medidas simples e exercícios físicos.

Com a chegada do inverno, quem sofre com dores na coluna e problemas como artrite, artrose (bico de papagaio) e fibromialgia costumam ter as dores agravadas.

Diversos vírus, muito comuns nessa época do ano por causa das gripes, também provocam problemas reumáticos em quem nunca teve sintoma dessas doenças.

Existem as artrites causadas por vírus, Mialgia Viral (dor muscular no corpo) e Miosite pós-viral (inflamação dos músculos decorrentes de viroses).

Segundo a reumatologista Evelin Goldenberg, doutora em Reumatologia pela Unifesp, e médica do Hospital Albert Einstein, no frio as pessoas ficam mais retesadas, com os músculos mais contraídos, o que pode levar ao agravamento da dor.

"Além de se agasalhar bem, uma atitude fundamental é não parar de fazer exercícios físicos", afirma. "Pacientes que estavam indo muito bem sentem a piora após interromper a prática do exercício", explica a especialista.

Um outro fator que pode agravar as dores é a depressão. "O frio aumenta os quadros depressivos, a pessoa fica mais triste, e a depressão gera dor", diz Evelin. "Assim, o aumento de peso comum nessa época aliado ao aumento do sedentarismo e ao lado emocional agravam os problemas reumáticos", afirma a reumatologista.

A fibromialgia, doença caracterizada por dores generalizadas no corpo, tem entre os fatores desencadeantes o estresse emocional e a mudança climática, especialmente frio e umidade. Há também a fibromialgia pós-viral. "Inicia-se um estado de gripe e que não melhora mais dos sintomas, a pessoa acha que não haverá mais cura, porque as dores se prolongam no tempo", diz Evelin.

Quem sofre de artrite reumatóide também se queixa mais de dor no inverno. Nas artrites pós-virais, uma reação imunológica que provoca inflamação nas articulações, que podem ficar inchadas, vermelhas e com dificuldade no movimento. Em alguns desses casos, o paciente terá de ser medicado para perceber a melhora.



Fonte: Site Mais Equilibrio